Blog Blog

Cuidados para manter a pele do bebê sempre lisinha e protegida

por Tateti Brinquedos / Há 3 semanas

Quantas vezes você já ouviu alguém elogiar alguém com a expressão “tem uma pele de bebê”? Isso, em nós, adultos, significa uma pele lisinha, sem rugas ou manchas. Mas pele de bebê é muito mais do que isso: é mais fina, sensível, sujeita a apresentar dermatoses próprias da idade. Por isso, os bebês merecem cuidados especiais, desde o nascimento. O uso de produtos adequados, boas práticas de higienização, a troca regular de fraldas são fundamentais para manter a saúde da pele dos pequenos. Mas dúvidas sempre aparecem: bebês podem usar filtro solar ou repelente? O que fazer para evitar alergias? Neste texto, listamos algumas dicas para você assegurar o bem-estar e o conforto do seu bebê.

Como evitar assaduras no bebê

As assaduras aparecem, normalmente, quando a pele fica úmida por muito tempo. Portanto, não espere pelo alarme, que o bebê fique incomodado e comece a chorar para trocar a fralda. Quem tem de ter esse controle é o papai e a mamãe. Faça uma inspeção regular, em intervalos curtos. E faça a troca sempre que as fraldas estiverem molhadas de xixi ou sujas de cocô. Antes de colocar uma nova, limpe o bebê com algodão ou lenço umedecido. O ideal é ter calma, deixar a pele respirar um pouco e secar por completo antes da substituição.

Cuidados na hora do banho

Crianças recém-nascidas devem tomar somente um banho por dia, por cerca de três minutos, e apenas com água morna. Para muitos pediatras essa é o melhor caminho para proteger a pele dos bebês. Mas se você optar por usar algum produto – o que é natural quando eles foram crescendo -, preste muita atenção na escolha. Prefira os suaves, sem aromas fortes. Os sabonetes do tipo ossyndets, por exemplo, são os mais indicados. Eles reduzem o risco de irritação da pele. Evite os glicerinados ou em barra. Já os shampoos devem ter pH próximo ao da lágrima humana para proteger a vista. E nada de talco pelo corpo. Além da possibilidade de causar alergias, o bebê pode aspirar o pó, causando problemas respiratórios.

Como hidratar a pele do bebê?

Você sabia que a pele do bebê tem naturalmente uma camada de gordura que a mantém hidratada? Pois é, a natureza é sábia, mas não dispensa os cuidados dos papais. Fatores naturais, como os raios de sol, o clima seco, o excesso de vento e a baixa umidade do ar, e a exposição excessivas dos pequenos ao cloro da piscina ou a ambientes com ar-condicionado muito forte, podem deixar a pele ressecada. É nessa hora que o uso de creme hidratante torna-se recomendado. Passe sempre após o banho, o que aumenta a retenção de água. Use somente produtos indicados para recém-nascidos.

Filtro solar faz mal para a pele do bebê?

Há consenso entre os pediatras que recém-nascidos não devem usar filtro solar, mesmo os indicados para crianças. Substâncias químicas existentes nesses produtos podem ser absorvidas pela pele e prejudicar a saúde dos pequenos. A partir dos seis meses, contudo, o uso já é permitido. Mais do que isso, deve ser obrigatório quando houver exposição ao sol. É importante verificar a faixa etária adequada do produto e, principalmente o fator de proteção solar (fps) que deve ser necessariamente acima de 60. Mas lembre-se, qualquer que seja a idade da criança o ideal é tomar sol antes das 10h e depois das 16h.

Como proteger a pele do bebê dos insetos?

O uso de pomadas, cremes e sprays repelentes deve ser evitado até pelo menos até os dois anos de idade. Esses produtos têm elevada concentração de substâncias químicas que, absorvidas pela pele, podem causar alergias e outras manifestações cutâneas. Para os recém-nascidos, a melhor opção são as telas protetoras de berço. Para as crianças maiores, em casa, recomenda-se os repelentes de ambiente, de preferência os compostos à base de produtos naturais.
Gostou? Então anote aí uma última dica: na maioria dos casos, manchas vermelhas, irritações da pele e assaduras são manifestações sem maiores consequências e facilmente tratáveis. Mas sempre que perceber alguma alteração, não perca tempo, consulte o seu pediatra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *